Quinta-Feira, 24 de Agosto de 2017
 

Artigo: O deserto por onde caminham cegos

Amadeu Roberto Garrido de Paula, é Advogado e sócio do Escritório Garrido de Paula Advogados

Deuses nos traçaram sombrio destino atrelado aos fados de outros povos a cada via vemos um falso sorriso de governantes que nos corroem os ossos.

Falsários do ilusionismo e de luzes fazem multicolorida a "res publica" nossos irmãos suportam as cruzes suas mãos sangram, como na história bíblica.

Milênios e séculos se foram inúteis a humanidade recebeu a mensagem ajoelha-se, porém parecem preces inúteis pois as vilanias recrudescem a cada passagem Multidões inundaram nossas ruas a democracia só tem urnas instituições apodrecem qual velhas uvas trevas e granitos envolvem aldeias turvas.

O povo não sabe o que quer, nas praças tomadas, dizem, mas não será o simples andar a mostra de um rumo? com certeza o povo repele firmemente as águas jorradas de fontes cristalinas para um mar nauseabundo.

Mar da corrupção! Tudo parece porém simples espetáculo a cada dia há novo capítulo para encerrar nossas tardes e no magnífico e inexpugnável castelo em diário oráculo as farsas os divertem e o choro brota das fraudes.

Assim, brasileiros, compatriotas, amigos e amigas, prosseguimos em nosso figurino triste de granito traçado pelos deuses do inferno para a vida das formigas trabalhadoras desde a madrugada, engasgo de eterno grito.