Quarta-Feira, 17 de Julho de 2019
 

Forte de Itapura será restaurado para ponto turístico

Itapura - Um pedaço da história do Brasil está desmoronando na pequena Itapura, de 3,7 mil habitantes. Construído em 1853 às margens da foz do Rio Tietê, com autorização de D. Pedro II, o prédio, conhecido como Palácio do Imperador, está sendo destruído pela omissão das autoridades e ataques de vândalos. O palácio surgiu como posto militar para proteger o Brasil das tropas de Solano Lopes na Guerra do Paraguai. Sua função era impedir a entrada dos paraguaios pelo Rio Tietê, vindos do Rio Paraná. Por isso, ficou conhecido como Forte de Itapura.

Nele moravam os comandantes militares e eram feitas as reuniões para planejar as estratégias da guerra. Há comentários, nunca confirmados, de que D. Pedro II ficou hospedado no local durante uma visita de avaliação das tropas.

Atualmente, o prédio está desmoronando, no entanto agora surgiram perspectivas de breve recuperação. Seu mobiliário desapareceu há muito tempo, sem que ninguém na cidade saiba para onde foi levado. A destruição é evidente. Por fora é fácil perceber que não existe mais nenhuma das venezianas e vidros nas janelas; na cobertura, as telhas se soltaram, permitindo a entrada da chuva; as paredes começam a perder o reboco; e os batentes das portas estão podres, como parte das escadas do palácio.

Mas é no interior que o estrago é pior. Em todos os cômodos, há fezes e pichações. O piso e o forro estão destruídos e dá até para ver o sol do térreo.

As portas e janelas do imóvel estão fechadas com pedaços de madeira de construção. A interdição foi determinada pelo Juizado da Infância e Juventude, porque o prédio estava sendo usado para prostituição infantil e esconderijo de traficantes.

Mas a partir de agora, com a reforma do Forte de Itapura já anunciada pelo prefeito Jerry Jerônimo, um novo ponto turístico irá enriquecer o local.

O prédio contará com reestruturação completa, com rampas para facilitar o acesso, novas escadas e até mesmo um elevador. No espaço serão construídas duas bibliotecas e um museu, além de um anexo que permitirá aos turistas um ponto de observação privilegiado do Rio Tietê.

Nas redes sociais, pessoas de Itapura e da região já se manifestam a respeito da reforma do Forte de Itapura, após terem acesso ao novo projeto que já foi aprovado pelo Ministério do Turismo.